Lago de Carpas

Selecionamos algumas espécies para criação em um lago ornamental comunitário, pois é importante conhecer seu comportamento, temperatura de conforto e pH e características de convívio. O universo dos peixes de água doce é bastante amplo, apresentam características distintas quanto ao comportamento que podem ser os mais variados.

Antes mesmo de planejar a área de construção e o volume que terá o lago, temos que escolher os peixes, pois a partir daí conseguimos definir o formato, a profundidade, os tipos de plantas aquáticas e os equipamentos do seu futuro laguinho.

Para criação das carpas é recomendado um lago com no mínimo 3 mil litros e com 50 cm ou mais de profundidade, para que as carpas possam ter espaço e ficarem confortáveis. As carpas irão crescer, portando não faça lagos pequenos para sua criação e desenvolvimento. As carpas podem ser companheiras por toda uma vida. Quando for alimenta-las ou somente aprecia-las, chegue próximo do seu lago devagar e o mais silenciosamente possível para que elas não se assustem, e alimente-as vagarosamente com paciência. Ao passar do tempo tornam-se mansas e sociáveis, deixando alimenta-las na própria mão.

Carpas: São consideradas as rainhas dos lagos e muito apreciada pelos laguistas, sendo peixes resistentes ao frio que podem tolerar temperaturas próximas a 0°. Em países tropicais como o Brasil podem superar os 70 anos de idade.

Kinguios: Chamado também de japonês ou peixe dourado (goldfish), são peixes ornamentais muito pacíficos e com uma característica especifica, tanto do seu corpo e suas cores como do seu nadar. Eles tem como origem a Ásia e ótimo para criação com outras espécies pacíficas no lago. São peixes que vivem muitos anos (entre 20 e 30 anos), podendo alcançar 30 cm dependendo da sua espécie, e por isso precisam de grandes espaços. Também são peixes de frio e toleram baixas temperaturas.

Cascudos: Peixe pacífico que pode conviver muito bem com outros animais. Dependendo da espécie esse peixe de fundo pode chegar até 50 cm. São considerados os faxineiros do lago, promovem a limpeza no tanque e são muito resistentes as adversidades da água e do clima. Comem algas das pedras e detritos no fundo do lago, justamente por esse motivo não demandam de uma alimentação especial. São espécies de hábitos noturnos, por isso, é recomendado criar alguns refúgios escuros (tocas), para que possam se abrigar durante o dia.

Espadinhas, Platis e Molinésias: São peixes pequenos e calmos que podem ser criados junto com outras espécies pacíficas e comunitárias. Preferem as águas ligeiramente alcalinas apesar de suportarem parâmetros muito diferentes aos locais em que habitam. Eles se reproduzem de forma rápida e são excelentes peixes para o controle de larvas de mosquitos. Porém a variação brusca de temperatura da água pode trazer complicações e algumas doenças a esses peixes. Por esse motivo, essas espécies são indicados para regiões mais quentes com pouca variação do clima. Por nadarem em cardume deixam o lago mais bonito e divertido. Além disso, são espécies que não necessitam de uma alimentação diferenciada, pois encontram comida no próprio lago.

Alimentar corretamente os peixes influencia diretamente no seu crescimento e desenvolvimento. Vale lembrar que a alimentação deve ser equilibrada e com rações específicas para que não haja frequência das manutenções do lago. Os peixes podem ser alimentadas duas vezes ao dia, sempre em poucas quantidades e sem exageros.

As carpas e kinguios em especial adoram alguns vegetais, como: pepino, alface, couve, brócolis, acelga, agrião, espinafre, lentilha d’água e salvínia. As ervilhas, brócolis e couve-flor devem ser oferecidos cozidos. Depois de alimentá-los retire as sobras que ficam no lago para não apodrecer no fundo. Adoram comer também larvas, minhocas, insetos e vermes. Essa proteína animal deve ser oferecida apenas uma ou duas vezes por semana.

× Posso ajudar?